0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Pin It Share 0 Email -- 0 Flares ×

Há duas maneiras de ir a Providencia. De catamarã em uma viagem de cerca de três horas, ou de avião pela única companhia aérea que vende o trecho, a Satena. A rede Decameron possui essa rota aérea também para hóspedes.

Chegando em Providencia

Escolhemos ir de avião pois os horários eram os melhores para o nosso roteiro e achamos o preço justo. Escolhemos o primeiro horário, às 07:20. O avião é um teco-teco de 17 lugares. Foi a primeira vez que voamos em um avião pequeno desses, mas a experiência foi tranquila. Além do sarro do piloto fazendo papel de comissária e passando as instruções de segurança foi tudo bem.

Pegamos um táxi, que nada mais era do que uma camionete com bancos na caçamba. Jogamos nossas malas e subimos. A viagem até nosso hotel durou cerca de 15 minutos, pois estávamos hospedados no outro lado da Ilha.
Escolhemos o Sirius hotel, e a escolha foi ótima.

Varanda do quarto com vista perfeita

Assim que chegamos já escolhemos um passeio de barco pela ilha para o final da manhã. No horário combinado vieram nos buscar. O barco pegou mais algumas pessoas em outra praia e iniciou o passeio. Depois de passear pela costa passamos pela famosa cabeça de Morgan.

Depois foi a hora de parar na Ponte dos namorados, uma pequena ponte de madeira somente para pedestres, que liga Providencia a Santa Catalina. Ficamos por ali cerca de 25 minutos, tempo em que atravessamos e compramos um lanche. Os salgadinhos ali são de banana, ou batata sabor limão, bem gostosinhos.

Lanchinho

A ponte dos namorados

Depois dali o passeio mais esperado da viagem: Cayo Cangrejo!
A pequena ilha em formato de caranguejo é um ponto isolado no meio do mar, cercado de águas com os 7 tons de azul e uma vida marinha incrível. Tão incrível que merece um post só pra ela, vem ver aqui!!

O paraíso do paraíso

Decidimos não ir embora com nosso barco e acertamos para outro barco nos buscar mais tarde. O barqueiro nos levou até o hotel Deep Blue, bem em frente à ilha.
Pedimos uma limonada de coco, só para não perder o hábito e ficamos curtindo aquele píer de frente para o mais lindo paraíso natural que já conhecemos.

Pegamos um táxi para o hotel e assistimos um por do sol divino da nossa sacada. A hospedagem já teria valido somente por aquele momento.

Depois falamos com o Paulino, o gerente do hotel para que nos ajudasse a alugar uma scooter e em 10 minutos ele já tinha arranjado tudo para a gente.
Paramos no centrinho para tentar ver as arraias pintadas. À noite a ponte dos namorados é iluminada e elas ficam ao redor, pois buscam a luz.
Tinha várias, lindas, mas a câmera infelizmente não fez boas imagens.

Quando passamos pelo restaurante do Deep Blue à tarde fomos muito bem atendidos e resolvemos voltar para jantar.
Ao chegar o restaurante estava vazio e fomos mais uma vez muito bem atendidos. Sentamos em uma mesa na rua, com uma lua cheia linda refletindo sua luz no mar, e a sombra de Cayo Cangrejo no fundo.

Pedimos dois pratos de massa, um com salmão e outro com camarão e estavam deliciosos.

E ao pedir a cerveja a surpresa da noite. A atendente nos trouxe  junto com o copo com a borda cheia de sal com a cerveja  um copinho e perguntou quanto queríamos colocar. Pedímos que ela colocasse a medida que gostava de tomar. Ela colocou meio shot de limão espremido na cerveja e enquanto eu tentava fotografar a cerveja fervendo com aquilo ela dizia “rápido, rápido, vai derramar, isso vira”… hahaha
Não virou, mas nos divertimos bastante!

O noite terminou pegando nossa scooter e voltando para o hotel.

Dia perfeito, podia repeti-lo por um mês!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>