0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Pin It Share 0 Email -- 0 Flares ×

Se achávamos que Providencia tinha conquistado nossos corações de forma imutável e que não amaríamos nenhum outro lugar na viagem como amamos aquele, era porque não conhecíamos ainda Cayo Cangrejo.

A pequena ilha é divina, tem pouca gente e o mar mais incrível que já vi até hoje.

Se paga uma pequena taxa para entrar, mas pagaria muitas vezes para ficar lá o maior tempo possível. Há um pequeno barzinho sem nenhuma estrutura, mas eles vendem bebidas e até comida, incluindo camarão. Ficamos com medo da falta de refrigeração e pedimos apenas um drink de coco. Mais ou menos. Minto, não gostei, um gosto de capeta bem artificial… As comidas não chegamos a provar, então não posso opinar.

No momento em que o nosso barqueiro avisou que tínhamos duas horas naquele paraíso já pensei “Não, eu não vou embora daqui duas horas!”. Já fomos procurar um jeito de ficar lá e voltar mais tarde. Conversamos com um barqueiro que estava indo embora e combinamos de nos buscar às 16 horas.

Snorkeling

Por algum motivo que ainda desconheço, por volta das 13:30 todos vão embora da ilha, inclusive o guardinha que fica lá cobrando a entrada, e ficamos só nós e mais uma família com duas crianças.
Daqui a pouco eles nos chamaram gritando que tinham visto duas tartarugas e fomos dar uma olhada. Eram bem pequenas, comparando às que a gente vê em Noronha, mas como a gente nunca cansa de ver ver tartarugas, fomos nadar de novo. São lindas, parece que flutuam.

Aproveitamos a ilha quase vazia para subir no topo em uma caminhadinha rápida.

Caminho para o topo da ilha

Que subidinha que valeu a pena. Se já havíamos amado o lugar, amamos mais ainda. Olha essa vista, olha esse mar, olha essas cores.

E aproveitamos que a família tinha subido para fazer umas fotos para eles e pedir para fotografarem pra gente.

Por volta das 14 horas um barco veio buscá-los e ficamos com a ilha só para nós. Foi uma tarde no paraíso. Demos a volta na ilha, fizemos muito snorkel, relaxamos e tomamos sol.

Por um tempo até ficamos pensando “e se o barqueiro não vier, o que vamos fazer?”, mas a paisagem não permitiu que ficássemos preocupados muito tempo.

Mas na hora combinada nosso barqueiro estava lá. Voltamos conversando com ele e ele nos falou sobre outros lugares incríveis que existem na ilha, então foi triste não ter tempo disponível…

E assim terminou nosso passeio no paraíso. Prometemos reencontrá-lo o mais breve possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>